1287 results for author: Danilo Nogueira


Dez observações sobre preço justo

Não existe modo objetivo de calcular o preço "justo" para uma tradução, assim, na ponta do lápis. Tipo "considerando isto, aquilo e mais aquele outro, o preço é tanto". É muito uma questão de opinião. O preço que o tradutor acha "justo", o cliente pode julgar exorbitante; o preço que o cliente acha justo, o tradutor pode julgar irrisório. Quando tradutor e cliente concordam com um preço para o serviço, esse é o preço justo, segundo os advogados. Se uma grande parte dos tradutores e uma grande parte dos clientes trabalham com um mesmo preço, esse é o preço justo de mercado, segundo os economistas. Você pode estabelecer ...

Dez pensamentos sobre preços

  Sobre preços de traduções, conheço este texto, do Jorge Rodrigues  este, do SINTRA,  e as diversas tabelas das Juntas Comerciais, encontradas nos sites de cada uma. As tabelas das Juntas se aplicam exclusivamente a traduções juramentadas. Nada impede que você cobre suas traduções não juramentadas com base nessas tabelas, mas ninguém é obrigado a cobrar ou pagar esse preço. Se você não for juramentado, não pode fazer traduções juramentadas e acabou a história. O SINTRA não tem autoridade para obrigar ninguém a cobrar ou pagar os valores de referência que publica. Muitas vezes, as agências cobram de seus ...

Essa coisa de Nota Fiscal e RPA, de novo

A maioria dos clientes precisa de um documento para legalizar a transação de tradução. Antes de aceitar o serviço, veja com o cliente que documentação ele vai querer, porque discutir essas coisas depois de feito o serviço é sempre uma complicação. Pessoas físicas muitas vezes dispensam a documentação. Pessoas jurídicas brasileiras querem ou um RPA ou uma Nota Fiscal de Pessoa Jurídica. Para emitir RPA, você precisa se registrar como autônomo na prefeitura da sua cidade. Fácil e barato, mas poucos clientes aceitam, porque aumenta a carga tributária e o trabalho da contabilidade. A maioria quer Nota Fiscal de Pessoa ...

Higiene textual

Não cometa estes erros de formatação no seu texto.

Conversa de botequim sobre a norma culta

O que é uma boa gramática?

Falantes nativos

A colega americana me perguntou quem revisava os artigos que eu escrevia para o Translation Journal. Foi um dos maiores elogios que recebi na minha vida, porque isso queria dizer que ela achava meu inglês muito bom. Não que não tenha seu sotaquezinho, porque tem, mas para escrever textos originais dá e ainda sobra um pouco de troco. Escrever um original exige menos recursos linguísticos do que traduzir. Quando escrevia aquelas coisas para o Translation Journal, escrevia o que me dava na telha e contornava as minhas deficiências dizendo só o que achava que sabia dizer direito. Para traduzir, a coisa é diferente, porque estamos constritos ...

Tradução editorial em Wordfast Classic

Preparei esta postagem para responder às numerosas alegações feitas por colegas que dizem ser impossível ou ao menos contraproducente fazer tradução literária e humanística usando programas de tradução assistida por computador, normalmente ainda conhecidos em português como “CAT tools” ou, coloquialmente, por “assistentes felinos”, “gataria”, “gataiada” e quejandos. Contra fatos, não há argumentos; mas contra convicções arraigadas, não há fatos nem argumentos e aqueles colegas que se recusam terminantemente a usar essas ferramentas para traduzir vão continuar se recusando e pronto, acabou. Então, este texto se ...

O cliente quer um resumo

Um cliente de tradução me pediu para resumir um livro para a mulher dele apresentar na faculdade.

Tradução automática – final

Este é o último artigo da minissérie sobre tradução automática. As partes anteriores foram publicadas aqui, aqui,  aqui e aqui. Confesso que estou ao mesmo tempo satisfeito e arrependido por ter metido a mão nesta cumbuca. Arrependido porque, além de descrever minha própria experiência pessoal, tenho muito pouco a dizer sobre o assunto. Satisfeito porque, em tendo dito só o pouco que sei, acho que toquei em alguns pontos da realidade que parece não ter ainda sido entendidos por meus colegas. Minhas notas finais: Uma boa parte dos exemplos de tradução automática absurdos que a gente vê por aí é, na realidade, obra de gente ...

Ainda a tradução automática

Esta é a quarta parte da série sobre tradução automática. Os três artigos anteriores foram publicados aqui, aqui e aqui. Continuando a conversa… Tem, também, a história da linguagem controlada. Funciona assim: o texto a traduzir é reescrito em uma linguagem que, sem ser errada, é meio pro lado do buquitu. Assim, o computador tira de letra. A tradução também é meio que buquitu, mas dá bem menos trabalho na pós-edição. O resultado final é meio tosco, assim, meio batatinha quando nasce, mas em linguagem correta – e, digamos à verdade, muitas vezes mais clara que aquelas coisas horríveis que a gente tem que traduzir de vez ...