Higiene textual

Não cometa estes erros de formatação no seu texto.

Conversa de botequim sobre a norma culta

O que é uma boa gramática?

Falantes nativos

A colega americana me perguntou quem revisava os artigos que eu escrevia para o Translation Journal. Foi um dos maiores elogios que recebi na minha vida, porque isso queria dizer que ela achava meu inglês muito bom. Não que não tenha seu sotaquezinho, porque tem, mas para escrever textos originais dá e ainda sobra um pouco de troco. Escrever um original exige menos recursos linguísticos do que traduzir. Quando escrevia aquelas coisas para o Translation Journal, escrevia o que me dava na telha e contornava as minhas deficiências dizendo só o que achava que sabia ...

Tradução editorial em Wordfast Classic

Preparei esta postagem para responder às numerosas alegações feitas por colegas que dizem ser impossível ou ao menos contraproducente fazer tradução literária e humanística usando programas de tradução assistida por computador, normalmente ainda conhecidos em português como “CAT tools” ou, coloquialmente, por “assistentes felinos”, “gataria”, “gataiada” e quejandos. Contra fatos, não há argumentos; mas contra convicções arraigadas, não há fatos nem argumentos e aqueles colegas que se recusam terminantemente a usar essas ferramentas para ...

O cliente quer um resumo

Um cliente de tradução me pediu para resumir um livro para a mulher dele apresentar na faculdade.

Tradução automática – final

Este é o último artigo da minissérie sobre tradução automática. As partes anteriores foram publicadas aqui, aqui,  aqui e aqui. Confesso que estou ao mesmo tempo satisfeito e arrependido por ter metido a mão nesta cumbuca. Arrependido porque, além de descrever minha própria experiência pessoal, tenho muito pouco a dizer sobre o assunto. Satisfeito porque, em tendo dito só o pouco que sei, acho que toquei em alguns pontos da realidade que parece não ter ainda sido entendidos por meus colegas. Minhas notas finais: Uma boa parte dos exemplos de tradução ...

Ainda a tradução automática

Esta é a quarta parte da série sobre tradução automática. Os três artigos anteriores foram publicados aqui, aqui e aqui. Continuando a conversa… Tem, também, a história da linguagem controlada. Funciona assim: o texto a traduzir é reescrito em uma linguagem que, sem ser errada, é meio pro lado do buquitu. Assim, o computador tira de letra. A tradução também é meio que buquitu, mas dá bem menos trabalho na pós-edição. O resultado final é meio tosco, assim, meio batatinha quando nasce, mas em linguagem correta – e, digamos à verdade, muitas ...

Más experiências com tradução automática

Há boas e más experiências com tradução automática.

Sucesso com tradução automática

Esta é a segunda parte da série sobre tradução automática. A primeira, está aqui. Vou avisando que não sou especialista em tradução automática e que minha experiência na área é lamentavelmente  restrita – embora já muito satisfatória. Talvez seja uma questão de filosofia: enquanto muitos colegas têm espírito ludita (daqueles operários ingleses que destruíam máquinas para evitar o desemprego), eu, desde sempre, procuro ver como usar as inovações tecnológicas a meu favor. Acho isso muito bom, porque assim não fico no lado perdedor da história, ...

Sou um tradutor das antigas

(Este artigo é o primeiro de uma série sobre tradução automática, que prometi a meus colegas do grupo Tradutores, Intérpretes e Curiosos.  Os restantes, serão publicados durante o decorrer da semana. Espero que você goste.) Sou um tradutor das antigas. Quando comecei, em 1970, datilografava minhas traduções numa valente Olivetti 44. Muitos tradutores trabalhavam com caneta e papel almaço. Um dia, perguntei a um deles por que não usava máquina de escrever. Respondeu, altivo: “porque sou tradutor, não datilógrafo – nem sei usar esse troço. ...