E o que vale o meu diploma?

Numa faculdade, uma sala cheia de gente querendo saber como é isso de traduzir como profissão. Eu lá, dizendo as coisas que sempre digo, mesmo porque não tenho outras a dizer. Fala-que-te-fala, a lengalenga de sempre, uma voz irada se levanta lá do fundo: – E o nosso diploma, não vale nada?

Não sei se já contei essa história aqui. Tenho um arquivo dos artigos publicados e a história não está lá. Mas posso ter me equivocado. Paciência. Quem sabe publiquei e você não leu.

O bruaá na platéia indicava que estava se iniciando um daqueles famosos movimentos de revolta contra as pessoas que traduzem sem a devida qualificação profissional e tal. E eu, lá, que nunca fiz faculdade, deitando falação – que contradição, meu São Jerônimo! Os professores que estavam na mesa começaram a se coçar, o que indicava um tanto de mal-estar quanto à situação.

Respondi que o diploma, a bem dizer, não valia nada. No máximo, se bonito, poderia ornar uma parede. Para muito mais, não servia.

Irritação crescente, mãos de professores se estendendo para pegar o microfone e apartear, mas se contendo em tempo. Alunos de mãos crispadas. Gosto de viver perigosamente.

O que importava, na realidade, era o que se aprende na faculdade. Porque o diploma meramente certifica que você concluiu o curso com sucesso, o que não chega a ser de todo difícil. Cola-se, toma-se carona em trabalhos alheios, reciclam-se trabalhos antigos de outros alunos, coisas assim. Tive acesso a um grupo no yahoogroups onde a principal atividade era programar faltas coletivas, assim “ninguém saia prejudicado”. Quando há falta coletiva, todos saem prejudicados. Tem gente que passa mais tempo no bar da esquina que na sala de aula. Claro, não são todos, eu sei e já sabia antes de você dizer.

O mercado não quer saber do seu diploma. O mercado quer saber se você agüenta o tranco. E o diploma não diz nada sobre isso. Digo mais, você pode ter certeza de que mesmo que tenha feito faculdade a sério, isso não garante que você vá agüentar o tranco. Só a experiência pode provar. Como diz o inglês, o teste do pudim é provar um pedaço.

Mas tenha certeza: se fizer a faculdade a sério, na melhor tradição CDF, suas possibilidades de sucesso vão ser muito maiores que a do pessoal mais esperto, que ficava no bar e só voltava à sala de aula quando o celular dava um toquinho. Faculdade é como bufê de restaurante: os pratos estão na mesa, você se serve. Fazer um bom prato e comer tudinho, sem deixar nada, é responsabilidade sua. Só o professor pode ensinar – mas só o aluno pode aprender.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


5 Comentarios em "E o que vale o meu diploma?"

  • Zeca
    27/10/2011 (3:20 pm)
    Responder

    Parabéns. Naturalmente eu não falava de papéis.

    “Kelli Semolini nasceu em São Carlos, em 1983, e desde muito nova se interessa por inglês, que começou a ensinar antes de entrar na UNESP, em Araraquara, em 2002. Na faculdade, além de se aprofundar no inglês e no português, aprendeu a jogar truco. Ao se formar, continuou com as aulas de inglês, mas começou a procurar serviços de tradução e revisão.”

    Não pude deixar de notar que vc menciona o curso que fez na sua biografia. Bem, se ele não vale de nada, e o mercado não quer saber (outra bobajada que lemos no post) então não entendo porque vc fez questão de dizer isso…

    • Kelli
      27/10/2011 (3:48 pm)
      Responder

      Ué, estávamos falando do diploma. Um curso bem feito ajuda, sem dúvida, e era exatamente este o tema do post: papel não vale de nada. Vale o que se aprende na escola. Meu curso está na bio porque o que eu aprendi lá me tem serventia. O diploma? Nenhuma. Nunca consegui um cliente por ter curso superior.

  • Zeca
    27/10/2011 (9:16 am)
    Responder

    Só desdenha de diplomas quem não os tem.

    • Kelli
      27/10/2011 (1:53 pm)
      Responder

      Não sei onde você viu desdém, Zeca, mas se vale alguma coisa, eu tenho dois diplomas, um de bacharelado e um de licenciatura, e nenhum dos dois me serve de nada. Nem sei onde estão.

  • ldasilveira
    11/12/2007 (2:29 am)
    Responder

    Danilo, se diploma fosse moeda, seria como o cruzeiro da Jacqueline (na época ‘Kennedy’): só porque foi no barco do Onassis é que valeu alguma coisa. A piada é velha, mas o que você diz é atualíssimo. Como ex ‘drop out’, atual professor/estudante, tradutor (Passe Traduções, lembra?) e boa-vida em potencial (quando tiver grana de verdade, vocês vão ver!), sei muito bem que o que conta é a disposição de cada um em aprender e usar os conhecimentos adquiridos de modo produtivo. Diploma é só um pedaço de papel.


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também